O Perigo da solidão e isolamento no ministério






Amar, servir encorajar, aconselhar, treinar, discipular, alimentar, ouvir, chorar juntos, orar, visitar, enfim dar atenção, são algumas das tarefas desses homens e mulheres que dia após dia, se lançam á rotina do pastoreio.

No entanto, não podemos esquecer que apesar, de sermos seres espirituais, e estarmos envolvido com atividades espirituais , ainda somos humanos, e também temos, nossas, limitações, tentações, dificuldades, problemas, dores, tristezas e necessidades diversas que também precisamos de oração, conselhos, abraços, empurrões, que apesar de sermos pastores também somos ovelhas e como ovelhas precisamos também de um pastor de alguém com quem possamos abrir nosso coração, chorar, tirar nossas dúvidas, receber uma palavra de encorajamento um elogio um incentivo, alguém com quem não temos vergonha de ser quem realmente somos, diante de quem não precisamos saber de tudo, ter resposta para tudo, alguém com quem podemos ser quem somos, um mero humano como todos os outros.

Estou convencido que não é nem pouco sábio, tentar viver o ministério pastoral solitário, sozinho, tentando resolver todos os problemas de todos e também todos os seus próprios.

O livro de provérbios nos alerta para a tendência de quebrar esse princípio

"O solitário busca o seu próprio interesse e insurge-se contra a verdadeira sabedoria." (Provérbios 18:1)

O Principio é repetido no livro de Eclesiastes 4:9-12:
"Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho. Porque se caírem, um levanta o companheiro; ai, porém, do que estiver só; pois, caindo, não haverá quem o levante. Também, se dois dormirem juntos, eles se aquentarão; mas um só como se aquentará? Se alguém quiser prevalecer contra um, os dois lhe resistirão; o cordão de três dobras não se rebenta com facilidade."

Mesmo que este texto virou citação dos convites de casamentos, ainda creio que pode ser aplicado na temática aqui abordada

Minha filha Leticia, está cursando psicologia e ela compartilhava comigo, que esses profissionais são recomendado pelo menos duas vezes por ano, procurar um colega para uma consulta. E isso pela simples razão que ainda não deixamos de ser humanos




E ainda mais por exercermos uma atividade que visa ajudar as pessoas, mas ainda se faz necessário periodicamente também sermos pacientes de alguém. Penso que todo profissional de massagem merece uma boa massagem.

Há algum tempo atrás li uma estatística sobre a vida pastoral, e confesso me deixou bastante preocupado. Essa é uma das razões que escrevo esta reflexão, veja o que diz a estatística:

Cerca de 1500 pastores deixam o ministério a cada mês devido a falhas morais, esgotamento espirituais ou por divisão em suas igrejas.
4000 igrejas são abertas cada ano, mas 7000 são fechadas
50% dos pastores têm seus casamentos terminados em divórcio
70% dos pastores passam ocasionalmente por experiência de depressão
50% dos pastores sentem-se tão desencorajados que caso pudessem deixariam o ministério. Só não fazem por não terem outra alternativa de renda
80% dos pastores e 84% das esposas de pastores sentem-se desqualificados para exercerem suas funções
70% dos pastores não têm um amigo próximo confidente, um mentor ou uma cobertura próxima.
90% dos pastores afirmam que seu treinamento teológico é completamente insatisfatório e não atende as necessidades da rotina ministerial

Não posso te oferecer com precisão a fonte destes dados estatísticos pois de onde tirei também não consta. O que posso dizer é que a pessoa que fez esta pesquisa chama-se Dennis Peacocke.

Se você exerce o pastoreio, buscar alguém de sua confiança, para ser seu pastor, não somente é uma boa ideia, mas algo indispensável para sua saúde ministerial




Talvez você tenha um líder, um superintendente, um supervisor, uma cobertura, enfim um chefe. Não importa a nomenclatura, que sua denominação providencie ou imponha sobre você, mas não é disso que eu estou falando. Você precisa de um pastor, de um amigo, de alguém que fale a sua vida e que você escolha espontaneamente submeter -se a essa pessoa ou a essas pessoas.

É bom lembrar que independente da sua idade biológica, de seu tempo de fé cristã, do tamanho da sua igreja ou ministério, do título pelo qual você é chamado, do quanto você é famoso, conhecido, inteligente, eloquente, respeitado, isso não te deixa imune das lutas e dilemas dos humanos nem te dispensa de ter um pastor sobre sua vida.

E não adiante usar o argumento que seu pastor é Jesus, pois todos sabemos que Ele é pastor de todos, nem por isso suas ovelhas estão autorizadas dispensar você como pastor delas.

Penso que antes de sermos pastor de alguém precisamos ser ovelha de alguém. A orfandade pastoral tem sido, infelizmente, a causa de muitos escândalos tristezas e desequilíbrios na igreja.

Creio que teríamos mais igrejas saudáveis, mais pastores confiáveis e ministérios relevantes se cada pastor também fosse discipulado de forma prática e profunda por alguém.

Se existe uma lista de prioridades na vida de um pastor, estou convencido que achar um pastor para si, deve estar nessa lista.

Eu não poderia escrever sobre esta relevante verdade se isso não fosse realidade em minha vida. Como sou grato a Deus pelo meu pastor humano. Bem aventurado quem tem pelo menos um.

Cobertura não se impõe se busca. Busque uma para você!

-

 



 

Sobre o autor:

Pr. Sabá Liberal - Casado com a Pra. Mariléia, pai de Letícia, Rafael e Daniela. É formado em administração de empresas, além de ter feito o Curso Bíblico do Instituto de Treinamento Ministerial. Pastor auxiliar na Igreja da Paz São Paulo. Acumulou experiência e grandes resultados no trabalho de células em Santarém e Macapá. Sucesso ainda maior aconteceu na Igreja da Paz Boa Vista, que fundou com sua equipe e tem sido um exemplo no MDA.

-

, Artigos

Artigos do seu Interesse